Resenha – Uma escola de Charme

uma-escola-de-charme-susan-wiggs-bestseller-14_MLB-F-4474743450_062013

Título: Uma escola de Charme

Autor: Susan Wiggs

Editora: Nova Cultural

Nº de páginas: 379

Ano: 2000

Nota: 5/5

Pra começo de conversa, ‘Uma escola de charme’ é um daqueles romances de banca, eu sou um pouco viciada nesse tipo de romance. E apesar de algumas pessoas acharem que são apenas histórias “sem conteúdo relevante”, eu já os alerto daqui, não, não são. Muita gente não sabe, mas romances de banca – principalmente os de época – trazem muitas informações importantes.

Em uma das minhas aulas, que envolveu bastante sobre história, eu lembrei de coisas que havia lido em livros desse tipo e que mesmo com todo o romance, me prenderam a atenção. Por isso acho legal quando alguém lê um romance desse, não vá só pelo romance, ou não ache que só existe isso no livro, porque não é verdade, sabemos um pouco sobre história com livros assim.

Uma escola de Charme é um dos meus livros de romance preferido. O livro Susan Wiggs me faz lembrar de dois personagens que gosto muito, Ronald Weasley e Hermione Granger. Seus personagens principais tem características tão marcantes e às vezes, enquanto eu leio, os vejo na história. É claro, Isadora Peabody e Ryan Calhoun me conquistaram de primeira, cada um sendo intrigante ao seu modo.

Isadora é uma “solteirona” de Beacon Hill, tem 22 dois anos e ainda não se casou, e como poderia ? Ela, segundo suas próprias palavras, assusta, é a ovelha negra de sua família, isso porque todos os herdeiros da família Peadoby são loiros e acostumados com o convívio social. Isadora, por outro lado, é uma garota que vive enfiada nos livros, não sabe se comportar socialmente, é um desastre ambulante e às vezes, mostra ao mundo quão inteligente é, rebatendo teorias de doutores. É o que todos da sociedade em que ela vive, abominam.

Sua vida é tranquila e sofrida, até que por uma infeliz coincidência, ela sob a bordo do Cisne de Prata e conhece – nas piores condições possíveis – Ryan Calhoun, o charmoso capitão do navio. Não há nada que indique que o primeiro encontro dos dois os levará a algo mais sério, até que Isadora, uma filha de Beacon Hill, resolve se meter em seu caminho.

Boa parte da história se passa dentro do navio e depois de ler as Bruxas de Kenwood, descobri que é algo que gosto muito, romance em navios. Tem a tripulação do Cisne de Prata, marinheiros interessantes, cada um mais diferente que o outro, mas incríveis de qualquer forma. E existe algo além do romance, como eu sei que existe em muitos livros desse formato, é como uma escola da vida, aos poucos Isadora vai ganhando forma, vai descobrindo coisas que jamais imaginaria descobrir.

O livro fala também sobre a escravidão e o abolicionismo. Tem como um dos cenários o Rio de Janeiro, que é aonde o Capitão Calhoun e sua tripulação vai. E tem personagens peculiares, todos muito bem trabalhados, até os que aparece em apenas uma cena, ou em um momento. A escrita de Susan Wiggs é tão leve e gostosa, que a leitura se torna muito fácil.

Entre todos os livros que li e reli – porque essa foi a terceira vez que li Uma escola de charme – esse é um dos mais tocantes, porque mostra a evolução de uma mulher. Como nas partes do livro é citado “O patinho feio” e não só por beleza, é tratado mais pela maneira como existe uma evolução interna em Isadora Peadoby, a viagem a faz conhecer novos lugares, novas pessoas, a faz viver, descobrir coisas novas, a faz descobrir finalmente o sentido para sua vida, que antes era vazia e – de certo modo – fútil.

Uma escola de charme é um romance para quem quer se emocionar, para quem quer se encantar, rir, descobrir um outro lado de uma história. Entender um pouco sobre amor, abrir os olhos para o que foi a escravidão – porque muita gente, apesar de ter lido, de saber, nunca teve consciência do que realmente foi à escravidão e esse livro me fez enxergar isso de forma dolorosa, mesmo que tenham sido poucos momentos, eles me ensinaram e mostraram mais do que eu tinha pensado – e perceber que nossas mudanças ocorrem a todo momento, todos mudam, todos se transformam.

É sobre isso que é esse livro, sobre mudança externa, mas principalmente, a interna. E, além de ter o charme de se estar em um navio, como disse anteriormente, gosto de livros que retratem pessoas em navios, o livro fala um pouco sobre nosso país, descreve as belezas do nosso Brasil pela visão de estrangeiros – claro, do Brasil de 1851. Espero que leiam, que gostem e que vejam que livros de romance, são mais do que apenas “Livros de romance”.

 

– Você transformou a todos nós em criminosos.

– Não soe tão reprovador. Era o que você queria, não era?

– Eu queria que Journey e Delilah tornassem a ficar juntos, sim – admitiu ele –, mas eu estava esperando conseguir isso sem me tornar um pirata.

A escravidão é criminosa.

– Não aos olhos da lei. – Ryan sentiu o choque de uma terrível verdade. Aquele dia não era seu. Aquela vitória não era sua. Isadora lhe tirara ambas as coisas. Bem no fundo, sentia-se vencido por ela.

 

Referencial de notas:

1- Não gostei; 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5-  Adorei.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s