5 Motivos para Ler As Crônicas do Gelo e Fogo

house-a-song-of-ice-and-fire-29965891-1920-1080

A saga de George R.R. Martin não precisa de argumentos para se vender. Já é sucesso mundial, ainda mais depois do lançamento da série pela HBO. Entretanto, justamente pela criação dela, vejo as pessoas se privando da experiência dos livros por estar acompanhando numa mídia mais veloz.

Porque estou apaixonada pela escrita do Martin, e  também depois de começar a acompanhar a série, criando naturais comparações, venho listar 5 motivos de porque um leitor assíduo não deve deixar de ler os livros:

SAM_6176

Minha coleção. Só felicidade! ^-^

1 – A RIQUEZA DOS DETALHES: Todos os livros lançados até agora não possuem menos do que 500 páginas e isso pode desanimar os mais preguiçosos. Não pensem assim! George R.R. Martin é um fenômeno linguístico em desenvolver cenários, personagens e até suas roupas…. Sim, eu disse “suas roupas”. Esta passagem do quarto livro, O Festim dos Corvos (que não traz nenhum spoiler, não se preocupem) ilustra muito bem seu cuidado nos detalhes:

    ” Obara era a mais velha das Serpentes de Areia, uma mulher de ossos grandes, de quase trinta anos, com os olhos juntos e cabelos castanhos como os da rameira de Vilavelha que dera à luz. Sob o manto de sedaria mosqueado de marrom-escuro e dourado, as roupas de montar eram de um couro velho e marrom, usado e flexível. Eram as coisas mais leves que vestia. Usava um chicote enrolado preso a uma anca e trazia a tiracolo um escudo redondo de aço e cobre”

Fãs torcendo para Martin não levar o fim da história pro túmulo. #sacangem

Fãs torcendo para Martin não levar o fim da história pro túmulo. #sacanagem

. 2 – CADA CAPÍTULO UM CLÍMAX: Em cada capítulo a história avança no ponto de vista de um determinado personagem. Descobrimos os fatos através dos olhos desse personagem, e somos apresentados as descrições nas visões limitadas deles. Por exemplo, muitos dos POV são de crianças, logo, somente entendemos aquilo que eles entendem, e recebemos as descrições daquilo que eles veem em sua perspectiva infante.

 Esse é um dos elementos, se não o principal, que torna o avançar de páginas tão instigante. A cada capítulo somos lançados a um pequeno conto, por assim dizer, de caráter único como uma impressão digital, que tem começo, meio e um fim – que diversas vezes nos deixa de boca aberta querendo saber quantas páginas faltam para retornarmos aquele ponto de vista. Mas como isso acontece com praticamente todos os narrados, o livro inteiro se torna uma febre.

3 – A VIDA COMO ELA É: Já é bem conhecida a fama de Martin em sair matando personagens a torta e a direita. Na série ficamos chocados e abalados com a morte dos “protagonistas”, mas nos livros temos mais tempo de conhecê-los e deixarmos o luto ainda pior quando acontece. Afinal, a literatura nos dá o grande recurso de podermos entrar na mente, nos valores e nas lembranças das pessoas, coisas que ficam de fora (ou até mal estruturadas) no cinema ou tevê. Pior ainda é o fato que nem um terço dos mortos no livro aparecem na série.

A marca do autor certamente, além da escrita absurdamente primorosa, é esta de trazer uma realidade crua e dura vista em poucos romances fantásticos… E em romances em geral. Além de mortes bestas, genocídios, estupros, saques, traições, vingança, tudo aquilo que pode acontecer numa cenário de Idade Média sem leis ou justiça, acontece mesmo!

4 -TYRION LANNISTER: Podemos fazer um balaio generoso de personagens bem trabalhados a profundidade de um abismo nas Crônicas do Gelo e Fogo, porém resumi-la em Tyrion Lannister me parece bem ilustrativo. Até porque este é o personagem  predileto do autor também. Tyrion é um anão vivendo num mundo cruel, preconceituoso e ignorante. Ele obviamente fica sendo considerado uma aberração dos deuses, uma praga maldita, qualquer diabrete infernal. “Normalmente” alguém em sua condição física seria morto na infância ou obrigado a apresentar-se como uma criatura, para entreter a corte por sua ridícula condição de meio-homem.

Tyrion Fucking Lannister

Tyrion Fucking Lannister

Entretanto, Tyrion é filho do Lorde mais rico de Westeros (continente onde se desenrola a trama central). Sua família o detesta por ser um anão e todos o repudiam sim, mas isso tem de acontecer comedidamente, afinal ele é poderoso. É da família Lannister.

Para compensar a falta de beleza, Tyrion desde muito novo se vê obrigado a desenvolver sua astúcia. Ele ama ler e é um observador nato das atitudes alheias. É inteligente, metódico e laborioso, criando os diálogos mais interessantes do livro quando está em cena. E quando está em alguma encrenca chega ao ápice de sua sapiência. Tyrion é foda!

Dragões! E que venha a fantasia!

Dragões! E que venha a fantasia!

5 – A FANTASIA PARCELADA: Você começa a ler um livro e já logo nos primeiros capítulos dragões baforam na sua cara e magos sinistros fazem sua alquimia em nome de deuses misteriosos. É legal? É… mas não é impactante, nem espetacular. George R.R. Martin me mostrou como devemos tratar a fantasia num livro fantástico, dourando a pílula das suposições. Vou exemplificar!

Todo mundo sabe que tem dragões na série, né? Vocês já viram trailer, teaser, memes, seus amigos compartilhando no face, então vou partir do pressuposto que isso não é mais nenhum spoiler.

walker_by_bzartt-d5ou28z

Caminhantes Brancos ou Os Outros

No primeiro livro da série, A Guerra dos Tronos, vemos diversos personagens comentando sobre dragões. Eles existiram há muitos séculos e há quem não acredite neles. Algo orgânico de se acontecer em qualquer história perdida durante tantos anos, as pessoas tem a tendência a desconfiar. No decorrer do primeiro livro acompanhamos muita intriga política, contudo só tomamos conhecimento do elemento fantástico pelas crenças e “causos” dos personagens, portanto fica tudo parecendo mito. Tá tudo muito bom, tudo muito bem e de repente, nas últimas páginas do livro, Martin te dá um tapa na cara com o surgimento dos dragões. E assim é ao longo dos livros, toda vez que mais e mais fantasia vai entrando, mais chocado e desmistificado o leitor tem de se tornar. Como se na vida real a magia pudesse ser plausível.

Por tudo isso, e muito mais, que As crônicas do Gelo e Fogo está se tornando uma das minhas sagas prediletas, quiçá livros. Recomendo, recomendo e recomendo!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s